Autor: João Manoel Pinho de Mello

WP024 – Spillovers from Conditional Cash Transfers: Bolsa Família and Crime

Corroborando achados de literaturas anteriores, este trabalho de Laura Chioda (Banco Mundial), João M. P. De Mello (PUC-Rio) e Rodrigo R. Soares (PUC-Rio e IZA)  constata impacto negativo do Bolsa Família – maior programa de transferência de renda condicional do mundo – sobre a criminalidade. As estimativas indicam que a expansão do programa, ocorrida entre 2006 e 2009 e que elevou o número de estudantes beneficiados por escola, provocou redução de 21% nas taxas de crimes registradas nas redondezas das instituições de ensino. Também se verificou que  os efeitos mais relevantes, do ponto de vista quantitativo, recaíram sobre os roubos e, em menor escala, sobre delitos relacionados ao tráfico de drogas e contra menores (abandono, por exemplo). Mais do que a incapacitação para o crime devido ao tempo passado na escola, o aumento na renda familiar foi o principal determinante da redução dos crimes – a possibilidade de adquirir certos bens devido às transferências  podem ter reduzido o incentivo ou necessidade de engajamento em crimes de motivação econômica. O artigo combinou dados oriundos da base INFOCRIM (sistema da Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo), da Secretaria de Educação da Cidade de São Paulo e do Censo Escolar. Os pesquisadores também pontuaram que reduções nos índices de pobreza e desigualdade gerados por esses tipos de programas têm consequências sociais mais amplas do que o suposto por seus mentores,...

Leia mais

WP003 – Assessing the Crack Hypothesis Using Data from a Crime Wave

Utilizando dados da Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo, o pesquisador João Manoel Pinho de Mello (PUC-Rio) explora nesse artigo o nexo entre uma droga em particular, o crack, e a violência urbana. O estudo destaca que apenas o tráfico da droga – e não a posse – teve impacto relevante sobre as altas taxas de homicídios registradas na capital paulista nas décadas de 1980 e 1990 e que a atividade criminosa não exerceu qualquer impacto sobre outros tipos de delitos menos graves, como crimes de propriedade e assalto. A pesquisa também indica que, dentre as diferentes vias pelas quais a relação crack x violência se manifesta socialmente, a via sistêmica é a mais importante – essa teoria postula que a ilegalidade do comércio e uso da droga é que provoca o comportamento criminoso; em primeiro lugar, pelo confronto direto entre a força policial repressiva e os traficantes e, de outra maneira, pelo uso da violência – e não do preço – pelas gangues e cartéis como arma na disputa por maior fatia de mercado ou territorialidade. O pesquisador defende, ainda, que as conclusões obtidas podem auxiliar a definição de novas políticas para a área, sugerindo que a violência não acompanharia a legalização do comércio e/ou uso da droga, mesmo se o consumo crescesse. Para reforçar a tese, ele lembra que a posse da substância (para...

Leia mais

WP002 – Do Public Banks Compete with Private Banks? Evidence from Concentrated Local Markets in Brazil

ABSTRACT – We extend the framework of Bresnahan and Reiss [1991a] to measure the competitive effect of the public ownership of banks in concentrated local banking markets in Brazil. We use variation in market size, the number of competitors and their identities to determine how the conduct of private banks is affected by the entry of a public bank. We find that local markets whose structure includes private bank duopolies are more than 35% larger than private monopolies, whereas duopolies containing one public bank and one private bank and private monopolies do not differ with respect to market size. These results suggest that the presence of a rival private bank toughens competition, but the presence of a public bank does not affect the conduct of private banks. Download do Paper Ano: 2011 Working-paper: 002 João Manoel Pinho de Mello Ler todos os Posts de João Manoel Pinho de Mello’s Share...

Leia mais